quinta-feira, 3 de abril de 2014

O segredo de Joaquim Barbosa - Por Sílvio Pélico - Linkassimet_1: 4

Linkassimet_1: 4: O segredo de Joaquim Barbosa Diz o site que a foto foi tirada no momento em que o ministro barroso ia proferir seu voto, naquela trist...

O segredo de Joaquim Barbosa
Diz o site que a foto foi tirada no momento em que o ministro barroso ia proferir seu voto, naquela triste tarde de fevereiro, às vésperas do carnaval.
Difícil é encontrar solidez em tão pífia argumentação: voto a favor da absolvição dos réus... Mais difícil ainda é explicar tão enigmático olhar: o da foto.
Penso que nem Morgan Freeman, ator norte-americano, seria capaz de produzi-lo assim, enclausurado em tão inexplicável dor.
Vi na expressão também um pouco da mansidão de Nelson Mandela, da perseverança de Samora Machel e, não poderia faltar, da coragem de Martin Luther King: "Eu tenho um sonho..." (não é fácil, nos DIAS de hoje, ter um sonho).
Na expressão de Joaquim, o sentimento que saltou aos olhos foi o do desprezo. Fiz uma breve pesquisa no You Tubee me deparei com um vídeo. Nele, o ministro Joaquim dizia algo assim:
Agora há um novo conceito, fantasioso e discriminatório, para o crime de quadrilha. Segundo o conceito, somente os segmentos dotados de certas características socioantropológicas, aqueles que rotineiramente incorrem na prática de certos delitos, como os crimes de sangue ou os crimes contra o patrimônio privado, são suscetíveis a tal enquadramento. Criou-se, com isso, um novo determinismo social...
Ao término do desabafo, lembrei-me do argumento de Edward Sapir, linguista e antropólogo norte-americano:
Inúmeras atividades operam nas interações humanas de acordo com um código elaborado e secreto, que não está escrito em parte alguma, não é conhecido de ninguém, porém compreendido por todos...
Mas o que esse argumento tem a ver com os votos de absolvição proferidos pelos ministros? Simples: de nada vale a complexidade e o desconhecimento que as pessoas trazem em relação aos termos técnicos usados pelos generosos ministros nos votos; pois tais votos (difícil não notar) foram concebidos em circunstâncias obscuras, batizados em fontes impuras... Tais circunstâncias (teias invisíveis) não estão escritas em parte alguma, não são conhecidas por ninguém, porém compreendida por todos.
Antes citei Martin Luther King e sua famosa frase... Mas penso que existe outra frase, também dele, que reflete melhor o que acontece hoje no Brasil. Sem dúvida é o pior cenário a que uma sociedade civilizada pode chegar...
O que mais me preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos... O que mais me preocupa é o silêncio dos bons.
Tenho fascínio por duas áreas do conhecimento: o Discurso e a Física. Das duas áreas e do assunto proposto (a absolvição) é possível extrair um pensamento:
A Física é organizada segundo várias teorias, que estão explicadas e demonstradas em livros específicos, porém desconhecidas pela maioria das pessoas. Já o Discurso, no caso o discurso jurídico, parece-me que sua força vem daquilo que ele é capaz de ocultar, com sua característica "gramática do poder". Assim, a essência do discurso jurídico não está escrita em parte alguma, porém é compreendida por todos.
Pensando bem talvez haja um rastro dessa "gramática" num símbolo anacrônico: veste talar (escura capa jogada sobre o terno).
Poder. Gramática. Palavra... De um instante, lembrei-me de Cecília Meireles:
Há um nome levado no vento.
Palavra.
Pequeno rumor entre a eternidade e o momento.
Espero que tais votos, assim como o vento, não leve embora nosso sonho: o sonho de construir um Brasil melhor...
Um clique no mouse e de novo a imagem: reduzida na dimensão, porém dilatada no tempo... Então reflito: além do desprezo, quase posso adivinhar o pensamento que motivou tal olhar:

Será preciso sair daqui para despejar o absurdo que agora mora aqui... Quem sabe em outra presidência.


blogassimetrias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...